O que a imunoterapia tem a dizer sobre o tratamento de câncer?

Compartilhe:

Você já ouviu falar em imunoterapia? Ela foi eleita o maior avanço na luta contra tumores em 2017 pela Sociedade Americana de Oncologia Clínica. O Centro de Oncologia do ABC já discutiu a respeito dos avanços no tratamento contra o câncer, e hoje fala um pouco mais a respeito desse tratamento que vem caindo nas graças dos especialistas.

Desde 2016 os tratamentos contra o câncer têm se revelado muito bem-sucedidos. Oito novas terapias foram aprovadas pela FDA (Food and Drug Administration), além de 12 novas vertentes para tratamentos já estabelecidos.

Uma das mais animadoras é a chamada imunoterapia. Resumidamente, a imunoterapia consiste em medicamentos que não têm o câncer como foco direto, mas visam auxiliar nosso sistema imunológico a detectar um tumor e atacá-lo.

 

 

Como a imunoterapia age?

O câncer “paralisa” as células de defesa, ludibriando as defesas do corpo para que não percebam a doença como uma ameaça, permitindo sua evolução. As drogas imunoterápicas revertem essa realidade e provocam uma reação que combata o tumor. Várias espécies de câncer, como o câncer de bexiga; cabeça e pescoço; pulmão e rins, além de melanomas e linfomas, já são alvos da imunoterapia para tratamento.

As primeiras pesquisas sobre a imunoterapia datam de 1881, mais de um século atrás, utilizando bactérias para estimular as defesas do corpo a responderem a um tecido com câncer. Foi apenas quase 100 anos depois que a primeira medicação que se utilizava desse princípio foi aprovada.

Os remédios atuam hoje em dia principalmente como inibidores de pontos de verificação imunológica, que garantem que as células protetoras não sejam “desperdiçadas”, utilizadas só quando necessário, evitando inflamações e doenças autoimunes.

Mais de setenta atividades biológicas são mediadas por meio de linfócitos, monócitos e macrófagos. Eles podem ser classificados como fatores auxiliares, supressores e reguladores do crescimento e citotóxicos.

 Quando a imunoterapia é indicada?

A imunoterapia, por ainda encontrar-se em fase experimental, requer uma espera de resultados mais contundentes sobre sua eficiência e capacidade de aplicação. O imunomodulador BCG é mais indicado para melanoma maligno e câncer de bexiga.

A Interleucina-2 é aconselhada para tratamentos de sarcomas; carcinomas e cólon e reto; sarcoma de Kaposi e adenocarcinoma de pulmão.

O Interferon é recomendado para mieloma múltiplo; melanoma maligno; leucemia de células cabeludas; linfomas malignos e outros tipos de leucemia.

O Levamisole é indicado para carcinoma intestinal, enquanto o Corynebacterium parvum é indicado para câncer de pulmão.

O que se nota é que a cada dia as terapias sofrem revoluções e a vida dos pacientes oncológicos se torna mais fácil e com uma maior chance de sobrevivência. O CEONABC tem orgulho de ser referência no tratamento contra o câncer e conta com duas unidades equipadas com tecnologia de ponta e profissionais altamente capacitados.

 

Venha conhecer o Centro de Oncologia do ABC. Siga-nos também no Facebook e Instagram para ficar por dentro de todas as nossas novidades, ações e campanhas.

Compartilhe: