Câncer na gravidez: qual o tratamento mais indicado durante o período gestacional?

Compartilhe:

O câncer é uma doença que não escolhe sexo, etnia e condições financeiras e pode trazer inúmeras dúvidas ao paciente, quando confirmado os resultados positivos dos exames. Esse tipo de diagnóstico, ainda mais durante o período gestacional, trará de imediato, mais receios para a futura mamãe.
Conversamos com a médica oncologista do Centro de Oncologia do ABC (CEONABC), Patrícia Santi, que falou um pouco sobre o assunto. O primeiro passo é tranquilizar a paciente e sua família, ressaltando que o tratamento com cirurgia e quimioterapia, é compatível com a gestação: “a quimioterapia, aplicada após o primeiro trimestre da gestação, não gera riscos para o feto e a interrupção da gravidez não é sempre necessária”, conta.

E a radioterapia? Eu também posso fazer?
Não. A radioterapia pode elevar as chances de um abortamento, má formação, distúrbios de crescimento e desenvolvimento, “como também efeito carcinogênico e/ou mutações genéticas no feto.
Apenas a quimioterapia é indicada em situações como essas. Os protocolos desse tratamento para uma mulher grávida são os mesmo que aplicados para uma mulher não-gestante”, revela a médica.
Vale ressaltar que, caso haja a necessidade de cirurgia, o procedimento é seguro de ser realizado.

Câncer de mama é o mais diagnosticado durante a gravidez
O câncer de mama pode ocorrer entre 1 a cada 3.000 mulheres, de acordo com dados da Universidade de Navarra University, na Espanha. Ainda assim, ele é considerado o tipo mais frequente em mulheres grávidas, podendo surgir após o parto, no ano do nascimento do bebê ou durante o período de amamentação.
O Grupo Espanhol de Pesquisa sobre Câncer de Mama (GEICAM) afirma que esse problema ocorre entre 6 e 15 por cento dos tumores de mama, com mulheres na faixa dos 24 – 44 anos. A idade média para o aparecimento de câncer de mama em mulheres grávidas é de 36 anos.

Terminei um tratamento oncológico: posso engravidar?
Há alguns estudos e pesquisas que indicam o prazo de 2 anos após o término do tratamento como a faixa de tempo mais segura para se tentar engravidar. Porém, há relatos de que não houve prejuízo algum aos fetos concebidos antes de 1 ano do término do tratamento.
A oncologista Patricia Santi faz um alerta: “mulheres que estejam no pós-tratamento e fazendo o uso do medicamento Tamoxifeno, devem interromper o uso, pelo menos 3 meses antes de parar com os métodos contraceptivos”.

Câncer ginecológico está diretamente ligado à interrupção da gravidez?
Para tumores de colo de útero a interrupção da gravidez não é obrigatória. Dependendo da idade gestacional em que o câncer foi diagnosticado, é possível ser feita uma linfadenectomia (retirada dos gânglios na pelve). Após o primeiro trimestre, é possível ser oferecido quimioterapia neoadjuvante e depois do parto, a cirurgia e/ou radioterapia são realizadas.
Caso a doença esteja em estágio muito inicial (IA1), pode ser realizado o seguimento gestacional, com exame clínico e colposcopia (exame do colo do útero, através de um colposcópio) de 3 em 3 meses até o parto, adiando o tratamento definitivo para depois do nascimento do bebê.
Entretanto, se o tumor estiver muito avançado ou se houver sinal de aumento da doença durante o tratamento ou vigilância, a interrupção da gravidez poderá ser discutida para que um tratamento mais agressivo seja instituído.
Para câncer de ovário, a interrupção da gravidez também não é obrigatória. A cirurgia inicial é segura e a quimioterapia pode ser oferecida após o primeiro trimestre. Após o parto pode ser oferecida uma cirurgia mais extensa, a depender do estágio da doença, para aumentar a chance de cura.
Em tipos de câncer como esse, caso a mulher opte por fazer congelamento de óvulos, ele deve ser realizado antes do início do tratamento oncológico.

Importante: Caso você esteja grávida e tenha recebido tratamento de quimioterapia nos primeiros meses da gestação e/ou radioterapia durante qualquer período, uma avaliação imediata deve ser feita pelo seu médico, para aconselhamento e diagnóstico de possível má formação do feto.

Todas as pacientes com potencial para engravidar devem usar métodos contraceptivos eficazes antes do início de qualquer tratamento.
Essa matéria foi útil para você? Então não deixe de compartilhar nas redes sociais e seguir a página do CEON no Facebook, o perfil no Instagram e no LinkedIn. Para agendar uma consulta, entre em contato através do telefone (11) 4228-1514, de segunda à sexta-feira, das 08h às 18h

Você pode ver também:

A IMPORTÂNCIA DA INTERVENÇÃO DO NUTRICIONISTA NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO Na Oncologia atual é de enorme importância a abordagem multidisciplinar no tratamento do paciente oncológico, onde o médico oncologista trabalha de forma integrada a uma equipe multiprofissional e conta com a colaboração de outras especialidades como...
Tipos frequentes de Câncer em homens O CEONABC já falou a respeito da importância do Urologista na vida masculina e hoje discutiremos sobre os tipos frequentes de Câncer em homens. Saiba como identificar e se prevenir dessas doenças!   Câncer de pele O câncer de é o de maior incidên...
Câncer de Pâncreas – Por que não abandonar o tratamento? No último Sábado, dia 16 de setembro, faleceu o apresentador e jornalista Marcelo Rezende, da Rede Record. Ele morreu devido a um câncer de pâncreas que se espalhou para o fígado. Durante o decorrer da doença, muito se falou sobre sua desistência do...
Centro de Oncologia do ABC discute as novidades da Medicina Aconteceu no dia 21 de junho, na sede de São Caetano do Centro de Oncologia do ABC, o evento “As Novas Tendências em Câncer de Mama”, que promoveu um encontro com uma interação especial das equipes de oncologia e mastologia do ABC. As palestras re...
Compartilhe: