Câncer e febre amarela: pacientes em tratamento oncológico podem tomar a vacina?

Compartilhe:

O aumento de casos de febre amarela, principalmente no Estado de São Paulo, desencadeou uma série de dúvidas por parte da população: afinal, pacientes em tratamento oncológico podem ou não tomar a vacina? A médica Camila Guerra, do Centro de Oncologia do ABC (CEONABC) falou um pouco sobre o tema e tira as dúvidas a respeito.

  • Sobre a doença

A febre amarela é uma doença infecciosa grave causada por vírus e transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo responsável pela Dengue. Precisamos ressaltar que essa doença NÃO é transmitida por nenhuma espécie de macaco, assim como um ser humano não transmite para outro. Os macacos apenas ajudam a identificar as regiões onde está ocorrendo a circulação do vírus.

  • Estou com câncer: posso tomar a vacina?

Segundo a médica Camila Guerra, a recomendação do Ministério da Saúde e da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica é que nenhum paciente em tratamento oncológico com quimioterapia oral ou venosa deva receber a vacina por até 3 meses após o término do tratamento.

  • E como posso me prevenir?

Recomenda-se o uso de repelentes do icaridina e se possível, o uso de tela nas residências. Evitar áreas de risco também colabora, afirma a médica.

Algumas das ações usadas da prevenção da dengue também são válidas para a febre amarela, como por exemplo, evitar água parada no quintal ou até mesmo em vasos dentro de casa. Qualquer recipiente como caixas d’ água, pneus, latas ou qualquer outro utensílio que contenha água parada são ambientes ideias para a fêmea do mosquito colocar seus ovos, onde nascerão larvas que, após se desenvolverem, se tornarão novos mosquitos.

  • Terminei meu tratamento oncológico: posso ser vacinado?

Pacientes podem ser vacinados após 3 meses do termino do tratamento, exceto aqueles que estejam sendo medicados com Rituximabe, Obinutuzumabe, Imunoterapia ou fludarabina não devem ser vacinados durante o tratamento e por até 6 meses após o seu termino.

“Pessoas que fizeram transplante de medula óssea não podem receber a vacina por até 24 meses após o transplante e a mesma só pode ser realizada se não houver evidencia de doença ou uso de imunossupressores”, finaliza a médica.

Essa matéria foi útil para você? Então não deixe de compartilhar nas redes sociais e seguir a página do CEON no Facebook, o perfil no Instagram e no LinkedIn. Para agendar uma consulta, entre em contato através do telefone (11) 4228-1514, de segunda à sexta-feira, das 08h às 18h.

 

Compartilhe: