PROTETOR SOLAR: SEU ALIADO CONTRA O CÂNCER DE PELE

Compartilhe:

Você sabe por que usamos protetor solar? Seus avós te fizeram acreditar que não passa de uma moda nova, já que eles usavam óleo com urucum quando iam à praia? Na verdade, não é bem assim.

As primeiras versões do protetor solar remontam ao Egito antigo, em 7800 a.C, feitos de mamona, extratos de jasmim e óleos de amêndoas. Já em 400 a.C, na Grécia, os competidores dos Jogos Olímpicos (que eram disputados nus), utilizavam o óleo de oliva para se protegerem.

Foi apenas em 1944, no entanto, que um protetor solar realmente efetivo surgiu. O americano Benjamin Greene criou uma mistura avermelhada a partir do petróleo, para prevenir as queimaduras que os soldados vinham sofrendo na Segunda Guerra Mundial, pela exposição solar exaustiva nos campos de batalha.

Atualmente, o protetor solar é algo indispensável e a conscientização do seu uso vem sendo cada vez mais ampliada. Você sabia que a incidência de raios solares em dias nublados é praticamente a mesma de dias ensolarados?

Veja a seguir tudo o que você precisa saber sobre esse produto tão importante.

 

Benefícios do protetor solar

Um dos principais benefícios do uso regular de protetor solar é a prevenção ao câncer de pele.

O câncer surge a partir do momento em que as células sofrem uma mutação a passam a se reproduzir fora do padrão e desorganizadamente, criando um tumor. No câncer de pele não é diferente, e um dos maiores motivos que provoca a construção dos tecidos neoplásicos indesejados é a ação frequente e desprotegida aos raios ultravioleta (UV), provenientes da luz solar.

Entre os benefícios que são encontrados com o uso constante do protetor solar, podemos citar:

  • Evita o envelhecimento precoce;
  • Previne rugas, sardas e manchas indesejadas na pele;
  • Protege contra os raios UV, que são os maiores agentes do câncer de pele;

 

Como identificar meu fator de proteção

Existem diferentes fototipos, ou seja, graus de pele que exigem mais ou menos proteção.

  • Fototipos 1 e 2 são aqueles de peles muito claras, que costumam ter sardas e não conseguem se bronzear, ficando apenas vermelha. Esses fototipos demandam um fator de proteção FPS de 60 ou mais.
  • Fototipos 3 e 4 vêm de uma pele um pouco mais morena e que se bronzeia com mais facilidade. Esse tipo de pele requer um fator FPS de 50 ao começar a se expor ao sol, e um fator 30 depois de já adquirida uma cor.
  • Os fototipos 5 e 6 são caracterizados por peles escuras, que não sofrem com queimaduras, mas ainda necessitam de proteção contra o câncer de pele. Nesses casos, o fator de proteção deve ser de, no mínimo, 15.

Vale lembrar que os protetores de rosto são diferentes dos protetores corporais, e devem fator de proteção de no mínimo 30, até para as peles mais escuras.

 

Como aplicar o protetor solar corretamente

A ação contra os raios UV depende uma aplicação correta do protetor solar, que pode ter seu efeito bastante reduzido ou completamente anulado, se o uso não for bem feito.

  • O protetor não deve ser aplicado com a pele molhada, e é preciso espera-lo secar para se vestir e aguardar sua absorção completa para que comece a agir;
  • Protetores em forma de creme devem ser aplicados com movimentos circulares;
  • Protetores em gel devem respeitar um sentido único de aplicação, para que não esfarele e o efeito não se perca;
  • Protetores em spray não devem ser espalhados, apenas aplicados diretamente, o que exigirá uma maior quantidade de produto
  • O uso do protetor no rosto deve ser feito, no mínimo, duas vezes ao dia. Ambientes internos também oferecem radiação UV, seja por lâmpadas ou até mesmo pela tela de computadores e celulares. Caso a exposição ao sol seja diretamente ao ar livre, é importante reaplicar o protetor a cada duas horas;
  • Deve-se aplicar uma quantidade de meia colher de chá de protetor solar no rosto, e uma colher de chá para cada região do corpo (braços, pernas, costas);
  • Regiões como mãos, pés e orelhas não devem ser esquecidas, pois podem oferecer riscos de surgimento de câncer.

 

Identificando os tipos de radiação

Os raios UV têm desdobramentos. Os raios UVA são menos intensos e responsáveis pelo bronzeamento, e não é bloqueado 100% pelo protetor solar.

Os raios UVB são mais fortes entre às 10h e 16h, e podem causar queimaduras e câncer de pele. Também auxiliam na produção de vitamina D no organismo.

Existe também a radiação infravermelha. Ela é mais branda, mas contribui para o envelhecimento e aumenta a sensação de calor.

Ficou com alguma dúvida? Consulte nossos especialistas e se informe mais sobre esse assunto.

Você pode ver também:

Como funciona o tratamento de radioterapia? Muitas pessoas se assustam ao ouvirem o termo “radioterapia”, e o associam a uma medida drástica na tentativa de salvar a vida de um paciente com câncer, mas podemos afirmar que a radioterapia não é uma medida drástica e sim, uma medida prática no co...
Maria Cláudia – Conte sua história O projeto Conte sua História traz mais um depoimento emocionante e muito inspirador da luta contra o câncer de mama da nossa paciente Maria Cláudia. Este depoimento tem início em um autoexame das mamas e finaliza em uma mulher que, além de vencer o c...
Olivia Newton-John e o câncer de mama A atriz Olivia Newton-John, do filme Grease, revelou que seu câncer de mama voltou O câncer de mama é um dos tumores mais comuns que afetam a vida das mulheres, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). O levantamento realizado pelo instituto e...
A IMPORTÂNCIA DA INTERVENÇÃO DO NUTRICIONISTA NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO Na Oncologia atual é de enorme importância a abordagem multidisciplinar no tratamento do paciente oncológico, onde o médico oncologista trabalha de forma integrada a uma equipe multiprofissional e conta com a colaboração de outras especialidades como...
Compartilhe: