DIA DO NUTRICIONISTA- CEONABC ENTREVISTA DRA. MIRELLA TORCHIA

Compartilhe:

Nós já te contamos aqui como o acompanhamento nutricional é essencial no tratamento oncológico. No Dia do Nutricionista, entrevistamos a Dra. Mirella Torchia, do CEONABC, que reforça a importância deste trabalho com detalhes e dicas sobre a especialidade.

A nutrição vem agregar o trabalho multiprofissional da equipe oncológica, normalmente constituída por médico, enfermeiro, farmacêutico, psicólogo e nutricionista. Tudo isso para buscar minimizar os sintomas e ajudar a melhora da qualidade de vida e do tratamento do paciente com câncer.

Por que a nutrição é necessária?

 

De acordo com Mirella, a evolução da doença faz com que o indivíduo reduza a ingestão alimentar por conta dos efeitos colaterais causados pelas medicações e alterações fisiológicas. Essas alterações promovem o retardo do esvaziamento gástrico e redução do apetite, ou problemas de absorção, gerando incômodo e isolamento social.

“O Trabalho do Nutricionista em cuidados paliativos ajuda a minimizar o desconforto causado pela alimentação, prioriza o prazer pela ingestão alimentar e favorece a socialização entre pacientes e familiares durante as refeições”, afirma.

A dor é o sintoma que exerce grande impacto sobre a qualidade de vida, influenciando humor, mobilidade, sono, etc. Outros sintomas como anorexia, depressão, ansiedade, constipação, disfagia, dispneia e astenia igualmente acometem o paciente, afetando as relações sociais e profissionais. Por este motivo, o controle dos sintomas possibilita que o sujeito possa realizar o que tem vontade, proporcionando uma finitude digna e com sofrimento reduzido.

As causas da perda de apetite e dificuldade de alimentação podem ser muitas. Entre elas, a Dra. cita alterações hormonais e metabólicas causadas pelo tumor, pela quimioterapia e/ou radioterapia. A dor ao deglutir, causando feridas, mucosite e outros sintomas como náuseas e vômitos, também contribuem para a alimentação deficiente.

Soluções possíveis

Os suplementos nutricionais são outro ponto abordado por Mirella. “Eles podem ser em pó ou em sua forma líquida”, explica. “Infelizmente são caros e pouco acessíveis, não sendo vendidos em qualquer lugar”. A nutricionista do CEONABC lembra que os hipercalóricos e hiperproteicos são os mais utilizados, pois o paciente perde grande quantidade de massa magra e peso. A nutrição enteral (NE) também pode ser feita por meio de sonda nasogástrica ou percutânea.

A Dra. Torchia explana que algumas dietas podem ser orientadas para minimizar os efeitos colaterais do tratamento, como a sem resíduos. Nela são retirados os grãos. “Existe também a dieta laxativa ou obstipante, que prioriza chás e frutas cozidas ou assadas, sem casca”, comenta. “Em alguns casos retira-se a lactose”.

Conselhos da Nutricionista

Ela ainda dá dicas para a melhora do paladar. “O uso de temperos naturais como o orégano, cúrcuma e manjericão ajuda a dar sabor à comida. O limão na sua forma de sorvete auxilia a aceitação alimentar”. Mirella complementa que alimentos azedos são ótimos para estimular a produção de saliva.

Segundo Mirella, a má alimentação ao longo do tempo, com o consumo de processados e industrializados pode influenciar no surgimento de um câncer. “Dietas com grandes quantidades de farinha branca, açúcar e pobres em vitaminas também são um fator de risco”.

O CEONABC é referência no tratamento contra o câncer. Temos profissionais altamente capacitados e em constante atualização. Nosso corpo clínico preza pelo atendimento humanizado e busca, através de participações em estudos, pesquisas e simpósios, as melhores alternativas em oncologia.

Acompanhe nosso site e redes sociais para mais informações e novidades!

Você pode ver também:

PROTETOR SOLAR: SEU ALIADO CONTRA O CÂNCER DE PELE Você sabe por que usamos protetor solar? Seus avós te fizeram acreditar que não passa de uma moda nova, já que eles usavam óleo com urucum quando iam à praia? Na verdade, não é bem assim. As primeiras versões do protetor solar remontam ao Egito an...
Veja entrevista do Dr. Daniel Cubero à Folha de S.Paulo O Dr. Daniel Cubero, Médico do Centro de Oncologia do ABC (CEONABC) e Professor Assistente da Faculdade de Medicina do ABC, participou de matéria sobre efeitos colaterais no tratamentos contra o câncer e como proteger os pacientes. O artigo foi publi...
A IMPORTÂNCIA DA INTERVENÇÃO DO NUTRICIONISTA NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO Na Oncologia atual é de enorme importância a abordagem multidisciplinar no tratamento do paciente oncológico, onde o médico oncologista trabalha de forma integrada a uma equipe multiprofissional e conta com a colaboração de outras especialidades como...
Câncer de Pâncreas – Por que não abandonar o tratamento? No último Sábado, dia 16 de setembro, faleceu o apresentador e jornalista Marcelo Rezende, da Rede Record. Ele morreu devido a um câncer de pâncreas que se espalhou para o fígado. Durante o decorrer da doença, muito se falou sobre sua desistência do...
Compartilhe: